08/06/2018

[Listas] Três livros curtos e fofos para ler nas férias



Férias escolares é uma ótima época para colocar as leituras em dia, né? Nesse post, indico três livros curtos e fofos que li recentemente, e amei. Espero que gostem das dicas.




SOPPY (Philippa Rice)
O amor não é feito de grandes provas de amor, nem de enormes cartas cheias de palavras romanticamente difíceis.
Não, o amor é feito do dia a dia, dos silêncios confortáveis, do eu te amo através de inúmeros pequenos gestos, como pegar um casaco, ler juntos, fazer as coisas juntos, mesmo quando não estão fazendo a mesma coisa, é sair para comer, sorrir para o outro, dormir de todas as formas e posições, e ainda assim se sentirem confortáveis, é  pegar na sua mão gelada, e mesmo assim permanecer ali.
É isso que Soppy - os pequenos detalhes do amor, de Philippa Rice nos ensina.
Repleto de imagens fofas, mostrando o cotidiano de um casal, percebemos que o amor está presente em tudo.









Pollyanna  (Eleanor H. Porter)
A pequena órfã Pollyanna, de apenas 11 anos, está se mudando para uma pequena cidade, chamada Beldingsville, na Nova Inglaterra, Estados Unidos.
Ela irá morar com a irmã de sua mãe, a tia Polly, uma mulher que não gosta muito de crianças, e é, muito, muito séria e um pouco solitária, tendo como companhia apenas os empregados de sua casa.
Falante, curiosa e amável, Pollyanna começa a transformar a vida de muitos ali, inclusive a de sua ramcorosa tia, que aos poucos vai sentindo o doce da vida.
Apesar de todos os problemas que serão enfrentados pela menina, sua obstinação em sempre ver o lado bom de tudo através de uma brincadeira chamada "Jogo do Contente", deixa todas as pessoas daquelas cidadezinha cheias de admiração pela pequena Pollyanna.








Tudo E Todas As Coisas (Nicola Yoon)
Madeline Whittier tem Imunodeficiência Combinada Grave (IDCG), o que significa que ela é alérgica ao mundo. Ou quase tudo que existe no mundo. Pode ser um cheiro, uma cor, uma comida. Qualquer coisa. A garota passou a sua vida toda dentro de casa, sem nunca sair. As únicas pessoas que ela tinha contato eram sua mãe, que por sinal é médica, o que é muito útil quando se tem uma doença rara como essa, sua enfermeira Carla, e as vezes, a filha dela.
Porém, há uma nova família se mudando na casa em frente, onde Maddy vive com sua mãe. É claro que isso não significa nada, afinal, como uma nova família poderia afetar a vida de uma garota que nunca saiu de casa, certo? Errado.
O filho do novo casal se chamava Olly, e seu quarto ficava de frente com o de Maddy, o que era perfeito para eles se verem, e trocarem recados por meio de folhas (sim, como Taylor swift em seu videoclipe You Belong With Me)
Ao trocarem mensagens e e-mails, Madeline se viu apaixonada por Olly, ela conheceu sentimentos e sensações que nunca havia sentido, e começou a se perguntar se valia a pena viver uma vida longa, longe de Tudo, trancada em uma casa, ou se era melhor ter uma vida curta, em que ela sentiu e ao máximo, tudo é todas as coisas que o mundo tinha a oferecer.




Nenhum comentário:

Postar um comentário