14/12/2017

[Resenha] A Princesa Salva a si Mesma Neste Livro

Ficha Técnica


A Princesa Salva a si Mesma Neste Livro
Autora: Amanda Lovelace
Ano de Lançamento: 2017
Nº de Páginas: 208

Primeiro livro de uma série, A Princesa Salva a Si Mesma Neste Livro, de Amanda Lovelace, se tornou um dos meus queridinhos logo de cara (tudo bem que ultimamente quase todos os livros que eu leio viram meus favoritos, mas não tenho culpa se eles são incríveis). O livro é dividido em quatro partes:

A PRINCESA.
É aqui que conhecemos nossa Princesa, uma garota comum, com uma vida trágica. Apaixonada por livros, ela encontrou na poesia uma forma de derramar suas dores, suas frustrações com sua mãe, com seu corpo, com seu distúrbio alimentar e as auto-mutilações.

havia 
alguns segredos

que ameaçavam 
despertar

minhas
peças de porcelana

mas era preciso
me manter 

inteira.

- eu não sabia nada.

A DONZELA.
A Princesa se tornou uma donzela, entregou-se aos dragões, e deixou que eles a queimassem, ferindo seu coração e arrancando-lhe a poesia de dentro de si.

ele
prometeu
me consertar
&
               me deixou
mais
               d e s t r o ç a d a
do que eu era
antes

- mas agora tenho ouro nas rachaduras.

A RAINHA.
A Princesa, que agora é uma Rainha, aprendeu a se defender e bater de frente com seus dragões, queimando-os com seu próprio fogo.

ele
não me ensinou
como
amar
a mim mesma,
mas ele
foi
a ponte
que
me ajudou
a chegar
                    lá.

- agradeço ao universo todos os dias por você.

VOCÊ
Os poemas são dirigidos a nós leitores, nos fazendo pensar e repensar atitudes e situações de nossos dias, e de nosso mundo.

um
mundo
onde todos

os seres humanos
sejam cuidados

não deve ser chamado

de um mundo
"revolucionário"

& no entanto
é.

- queima.

Com poemas fáceis de ler, entender, e principalmente, sentir, os temas decorridos são importantes e precisam ser abordados, o que Amanda Lovelace fez muito bem, apesar da narrativa ser "leve", o conteúdo não é.
Logo nas primeiras páginas vemos que a personagem vai enfrentar problemas sérios, tais como: estupro, um relacionamento ruim com sua mãe, frustrações com seu corpo, baixa auto-estima, insegurança, solidão, distúrbios alimentares, auto-mutilação, coração partido, perda de pessoas que ela ama, sentir-se confusa, entre outras coisas.

A narrativa do livro é uma das mais interessantes que li, apesar de simples, adorei ler um livro onde os poemas se complementam e juntos são uma história só.
Há poemas de todos os tipos, os mais românticos, sarcásticos, miseráveis, sonhadores, confiantes, confusos... uma infinidade de sentimentos, que apertam o coração da gente, e nos faz desejar com força para as estrelas que tudo fique bem com nossa Princesa, que virou Donzela, que virou Rainha.
Ficou curioso para ler o livro? Corre, que acabou de sair do forno e tá quentinho. Fiz questão de garantir o meu quando ainda estava em pré-venda, e assim que chegou em casa, devorei-o.

Já estou super ansiosa para o próximo livro (The Wich Doesn't Burn In This One), que será lançado nos Estados Unidos no dia 6 de Março de 2018. A narrativa segue no mesmo estilo, história de mulheres fortes contada através de poemas.

Se tiverem mais dicas de livros que se pareçam com esse, não deixe de os mencionar, vou adorar aumentar minha wishlist haha

Nota: 




08/12/2017

[Resenha] O Navio Arcano



Ficha Técnica


O Navio Arcano
Autora: Robin Hobb
Ano de Lançamento: 2017
Nº de Páginas: 864

Quando me encanto por um livro, não tem jeito: não vou sossegar enquanto não comprá-lo e lê-lo. E foi assim com O Navio Arcano. Quando a LeYa divulgou a capa, botei na cabeça que precisava ler esse livro. E eu li, e cada uma das 864 páginas valeram a pena.

O Navio Arcano é o primeiro livro da trilogia Os Mercadores de Navios-Vivos, que se passa num lugar chamado O Reino dos Antigos (mesmo universo de A Saga do Assassino). Bom, como o próprio nome da trilogia diz, o livro é sobre aventuras marítimas e navios-vivos. Navios-vivos? Sim, exatamente. Eles são feitos de madeira arcana, uma madeira dotada de consciência. Se você faz um navio com essa madeira, você tem um navio-vivo.
Mas nem tudo são flores. Madeira arcana é a mercadoria mais valiosa e rara do mundo, e é encontrada apenas nos Ermos Chuvosos. Não é fácil ter um navio-vivo, mesmo se você vem de uma família de mercadores. Para despertar um navio, é preciso que três gerações da família morram em seu convés.





01/12/2017

[Novidades] Intrínseca se posiciona sobre a série A Roda do Tempo

Demorou, mas finalmente aconteceu!

Há alguns anos, a Editora Intrínseca anunciou que adquiriu os direitos de publicação da série A Roda do Tempo. A série é bem grandinha (são 14 livros). Ela foi iniciada por Robert Jordan. Quando Jordan morreu, foi Brandon Sanderson (Elantris, Mistborn) quem deu continuidade aos livros. No exterior, a série é extremamente elogiada, e os leitores brasileiros comemoraram com louvor quando a editora anunciou que publicaria um livro a cada seis meses.

Mas não foi o que aconteceu. Já faz um tempo desde que o quinto livro foi publicado e, infelizmente, o primeiro livro estava simplesmente esgotado na versão física. Ou seja, se você quisesse lê-lo, teria de ser e-book, emprestado ou adquirido num sebo. E, o pior de tudo, a editora queria dar continuidade à saga. Continuar publicando os livros seguintes, sem reimprimir o primeiro livro. Era justo com os leitores? Claro que não. Vários leitores queriam iniciar a leitura, mas ninguém quer começar uma história pelo segundo livro. Nós lutamos, batalhamos, imploramos, mas eles não cederam. Disseram que não havia planos para a reimpressão de O Olho do Mundo.

Até agora.



[Resenha] Elantris



Ficha Técnica:


Elantris
Autor: Brandon Sanderson
Ano de Lançamento: 2012
Nº de Páginas: 576

A história de Elantris

Elantris brilhava como nenhuma outra cidade, tinha luz própria e com certeza era a mais bonita, não só de Arelon, mas de Sycla inteira. Mais divino ainda eram seus habitantes: cabelos brancos brilhantes, pele praticamente prateada, também brilhante.

Não era só isso. Os Elantrinos tinham poderes, podiam desenhar símbolos (aons) no ar, que eram capazes até de curar.
A Shaod (transformação de alguém comum em Elantrino), podia alcançar qualquer um, desde um nobre, até o mais pobre dos homens.

Mas tudo isso não passa de lembranças há 10 anos...