29/06/2015

[Entrevista #3] Robert Jackson Bennett

E aí, galera. Tudo bem com vocês? Eu estou ótimo.

Como vocês sabem, toda semana eu estou entrevistando um autor diferente aqui para o blog mas, até agora, todos eles eram autores nacionais. E por que não entrevistar um autor internacional? E foi exatamente o que fiz. Sim, isso mesmo. Um autor internacional deu uma entrevista para o blog \o/
Estamos falando de Robert Jackson Bennett, autor dos premiados Mr Shivers e The Company Man, assim como outros livros.

1 - Você se lembra qual foi o primeiro livro que você leu?
O primeiro livro sem imagens que eu lembro de ter lido era uma pequena história sobre crianças em um acampamento, o qual era assombrado por um fantasma. O protagonista deduzida ao longo da história que o fantasma era uma farsa, que, no momento, eu pensei que era uma besteira decepcionante. Eu acho que eu tinha cinco anos ou tinha acabado de completar seis anos, talvez. As principais coisas que eu lembro sobre a história era que o protagonista era negro (o que eu não acho que foi nada incomum na época, mas agora eu penso de outra forma, considerando a escassez de protagonistas não-brancos) e sua mãe não iria deixá-lo comer cachorros-quentes, porque havia coisas ruins nele. Perguntei a minha própria mãe o que havia de tão ruim sobre cachorros-quentes e ela me disse para ignorar isso. Nem todos os romances viriam a ser essa controvérsia.

2 - Mr Shivers é seu primeiro livro. O que você sentiu quando ele foi finalmente publicado?
Olhando para trás, eu provavelmente pensei que eu estava prestes a parar de trabalhar e se tornar um escritor em tempo integral, apenas pendurado para fora em minha casa, sendo um verdadeiro cara legal durante todo o dia, e escrevendo e vivendo o sonho. Isso aconteceu parcialmente, porque eu era (e sou) um idiota, e também em parte porque eu tinha acabado de adquirir meu próprio meio de divulgação. Quero dizer, seus editores não vão dizer-lhe para conter os suas expectativas - então eu não sabia! De qualquer forma, nenhuma das coisas legais aconteceram, e acabei por ter de se tornar um adulto de qualquer maneira, indo para fora em um campo e bater no chão com uma vara grande para níqueis.

Você não consegue vitórias rápidas no mercado editorial. 

3 - Mesmo que Mr Shivers seja seu primeiro livro, ele foi vencedor do Shirley Jackson Award de 2010, por Melhor Romance. Isso foi uma surpresa para você? Quero dizer, seu primeiro livro foi vencedor de um prêmio. Como você reagiu quando soube disso?
Eu vou remeter para a minha resposta da questão 2, porque eu provavelmente pensei que este prêmio ia mudar tudo, e talvez agora eu poderia me tornar um escritor em tempo integral e sair da minha casa o dia todo, sendo um cara legal e escritor. Isso não aconteceu. Eu mencionei que eu era, e sou, um idiota?

Fiquei surpreso, no entanto. Foi um grande prêmio. Mas a menos que seja o Pulitzer, muito poucos prêmios literários têm um impacto muito, muito significativo nas vendas.

4 - Editoras brasileiras são provavelmente diferente das editoras americanas. Como isso funciona?
Bem, nós trabalhamos com agentes aqui. Será que eles têm agentes no Brasil? Para mim, o meu agente age como meu embaixador, levando as minhas ideias para as várias editoras e trabalhando ao redor disso. Eu não tenho ideia do que isso parece ou como vai ser para ele. Ele, então, volta para mim com as ofertas e as respostas que ele recolheu. Às vezes, estas são esmagadoramente deprimente, às vezes elas são como a melhor droga que você já colocou no seu corpo. Independentemente disso, se conseguirmos uma mordida na direção, que, em seguida, leva cerca de um ano para algo real a acontecer - para obter um contrato, negociar o contrato, assinar o contrato e, em seguida, receber o pagamento. Esta última parte é o meu favorito.

5 - Seus livros foram publicados em outros idiomas?
Ah, sim, toneladas. Russo, espanhol, alemão, romeno, vários tipos de mandarim, checo. Realmente, a gama. Às vezes é um pouco de dinheiro, às vezes é um monte de dinheiro, mas raramente é igual aos avanços que recebo nos EUA ou no Reino Unido. Mas tudo isso acrescenta!

6 - Você pretende publicá-los no Brasil, um dia?
City of Stairs está previsto para ser publicado no Brasil. Eu assinei o contrato em 12/2014, e eles têm 18 meses para publicá-lo. É tudo o que sei!

7 - Seu último livro foi City of Stairs. Você está trabalhando em outros projetos? Pode nos contar sobre eles, ou é top secret?
Neste momento, estou trabalhando na sequência de City of Stairs. Estou editando City of Blades agora, e eu estou criando o final da trilogia também - mas eu não tenho detalhes ainda, porque nada disso está confirmado.

28/06/2015

[Resenha] A Volta de Sherlock Holmes

Hey galera, tudo bem com vocês? Tirando começar as férias de cama, eu tô de boa na lagoa.

A primeira leitura desse looongo período perfeito que eu chamo carinhosamente de férias foi A Volta de Sherlock Holmes. Nunca tinha lido nada de Sir Arthur Conan Doyle, e me arrependo bastante. Digo isso porque sua escrita é fluída, e faz com que o leitor queira cada vez mais saber o desfecho daquele mistério. O livro, narrado pelo Dr. Watson, é composto de treze pequenos contos, sendo que quatro deles foram escolhidos pelo próprio Doyle como os melhores que ele já escreveu: A casa vazia, Os dançarinos, A Escola do Priorado e A segunda mancha. Devo concordar com ele porque, de fato, são histórias incríveis, as quais eu não conseguia parar de ler. Sherlock é um verdadeiro gênio, e agora sei porque é considerado o maior detetive da literatura. Talvez tenha modos diferentes de solucionar um caso, mas sempre traz à tona todos os mistérios que precisam ser desvendados, de um jeito ou de outro.
Agora, resta-me ler as outras tantas aventuras de Sherlock Holmes e seu amigo Dr. Watson, pelas maravilhosas ruas de Londres.

24/06/2015

[Novidades] Editora Selo Jovem anuncia novo selo editorial

E aí, galerinha. Tudo de boa na lagoa? Tô feliz, e isso se resume em seis letras: F-É-R-I-A-S.
Hoje, pela manhã, a editora Selo Jovem (a mesma editora que publicou meu livro, Sozinhos no Escuro) anunciou em sua página do FB que estará abrindo um novo selo editorial, com o intuito de introduzir novos autores no mercado literário nacional. O post completo você confere abaixo:

Nos próximos dias a Editora Selo Jovem estará anunciando o seu novo selo editorial "Talentos da editora Selo Jovem". A Selo Jovem será o selo principal, continuará garimpando e publicando a média de 7 livros por ano, algo muito pequeno comparado a outros selos.
Já o selo talentos estará aberto para autores iniciantes, será um selo aberto para novas ideias e projetos, facilitando a entrada de novos autores no mercado e abrindo espaço para profissionais da área; revisores, capistas, diagramadores, e etc.
Hoje somos uma das editoras nacionais que mais cresce no cenário da literatura nacional, com gráfica própria e estrutura sólida e confiável. Trouxemos autores talentosos para o mercado e muitos estão prestes a alcançarem a marca de 1,000 unidades comercializadas. A editora planeja implantar um selinho best seller em seus livros mais comercializados, o selinho estará na capa frontal.

23/06/2015

[Entrevista #2] Esther Lya Livonius

Oi galerinha, tudo bem com vocês? Eu tô bem :3
Peço desculpas por ter sumido por um tempo. Estava em época de provas da faculdade. Mas agora estou de férias, e poderei dar mais atenção ao blog.

Com mais um início de semana, mais um autor é entrevistado. A autora da vez é Esther Lya Livonius, do recém-publicado A Marcha dos Javalis. Confiram a entrevista!



1 - Lembra-se de qual livro te incentivou à leitura?
Bom, minha mãe lê para mim desde de pequena, quando falo pequena, é pequena mesmo... Eu tinha aqueles livros de plástico pro bebê poder molhar no banho. Mas foi o Santo Potter (Harry Potter) que me impulsionou a ler mais ainda e começar a escrever.
2 - Quando você percebeu que queria se tornar uma escritora? Foi no momento que eu percebi que as pessoas não liam minhas fanfics. Ok, deixa eu explicar melhor: Eu escrevia fanfic, ok. Aí, minhas fanfics começaram a ficar mais mirabolantes, com mais histórias e mais personagens, elas estavam ficando assim por que eu estava lendo muito. Sim, acreditem quando dizem que o livro que está lendo te influencia. Enfim, as pessoas não gostam de fanfics assim. Elas preferem as clichês, quem escreve fanfic sabe do que estou falando. Mas eu continuei, e queria que mais pessoas lessem, a única forma seria publicando. Mas, obviamente, não podia, por que os personagens não são meus. Aí comecei a introduzir o “Universo Alternativo” e aí sim, as pessoas paravam de ler. E pronto, comecei a escrever romances e sempre na cabeça que seria uma escritora. Tirando que, quando criança, uma amiga vivia me dizendo na escola que eu seria escritora.

3 - Qual foi a sensação de escrever seu primeiro livro? Bom, A Marcha dos Javalis não é minha primeira finalizada, publicada sim, mas não a primeira finalizada. Mas, a sensação de ter terminado e enviado para a editora era super animadora. Pra minha sorte, a editora respondeu em poucos dias, dois se não me engano. Eu fiquei sem dormir, pra minha sorte, eu não tinha aulas nem nada...
4 - Como você reagiu quando recebeu o “sim” da editora? Quando eu recebi o e-mail, foi de manhã, eu estava na rua com a minha mãe... Eu me lembro que parei de andar e fiquei encarando o celular. Olhei pra ela e comecei a pular e abraçar ela forte. Foi mais ou menos a mesma reação de quando recebi meus livros... É uma sensação ótima. De dever cumprido, sonho se realizando, portas se abrindo... Sua auto confiança volta em 100% e sua vontade de escrever volta duplicada, é maravilhosa.

5 - Você cursa Bacharelado em História. Pode nos contar um pouco sobre como escolheu esse curso?
Bom, História foi o quarto curso que tentei. Fiz duas semanas de Direito, passei pra Letras – Português (se você quer ser escritora, NÃO faça Letras!), fiquei um semestre, aí passei pra Administração por causa da Biblioteca, fiquei duas semanas também e arrisquei História. Eu tive que parar História, mas estou analisando voltar para o curso. Eu sempre gostei de História, mesmo que ironicamente eu sendo péssima na escola, mas a história antiga em si, eu amo. Mitologia, crenças, tentar saber como era a sociedade, artefatos, tudo.... A parte mais atual eu acho uma chatice. Mas, as histórias de época contribuíram um pouco... Eu lembro que das viagens que eu fiz com a família, foi as viagens para os lugares históricos que eu adorei mais.
6 - Sua família possui uma biblioteca em sua cidade. Isso te incentivou a se tornar uma escritora?
Hmmm.... Não. É que eu já tinha decidido ser escritora aos 10, 11 anos. Montamos a Biblioteca quando eu tinha 13 anos, mais ou menos. É que minha mãe sempre gostou de ler, eu também, e sempre queríamos que mais pessoas lessem, abrir oportunidade para as pessoas conseguirem ler. Então ela criou a Biblioteca.

7 - Está trabalhando em outros projetos?
Sim... Sempre acabo criando projetos novos, mas me obriguei a escrever um, as vezes dois, por vez. Atualmente estou trabalhando na continuação d’A Marcha, o “A Selva do Leão” e num romance histórico. Eu tive que fazer sorteio para saber qual eu continuava. Mas eu tenho outra distopia que vou revisar e enviar para uma editora também, e ontem mesmo me surgiu ideia para outro projeto... Mas trabalhando em si, apenas dois, três.

20/06/2015

[Novidades] Editora Selo Jovem anuncia mais um lançamento para julho/2015

Boa noite, gente. Tudo bem com vocês?

Poucas horas atrás, em sua página do FB, a editora Selo Jovem anunciou mais um lançamento para o próximo mês, assim como capa e sinopse da obra. O livro em questão é O Enigma da Estrela, da autora Bruna Longobucco. E aí, o que acharam?

Pedro e Melissa têm 12 anos. Além de primos são super amigos.
Ela adora ler, pesquisar e descobrir. Videojogos são seu passatempo predileto e não perde um só filme de suspense.
Ele adora praticar esportes. Não ama ler como Mel, mas não resiste a uma aventura. Curte videojogos e filmes de suspense. Ah, claro, pizza e chocolate também.
Quando os dois chegam à Mansão de Altaville para passar o natal em família, nem imaginam o que vão encontrar. Logo, fenômenos estranhos começam a acontecer e, inesperadamente, um jogo os faz embarcar numa louca aventura.
De volta ao século XX precisam decifrar o enigma da estrela ou ficarão presos no passado.

18/06/2015

[Novidades] Divulgada capa de The Sword of Summer

Hey, galera. Tudo bem com vocês? Temos fãs de Rick Riordan por aqui? Comemorem, pois a capa de The Sword of Summer foi divulgada! Aqui você pode ler um trecho do primeiro capítulo do livro, traduzido pela equipe do Percy Jackson BR. Abaixo, vocês podem conferir a capa e sinopse do livro, que será publicado dia 06/10/2015, nos EUA.

Desde a misteriosa morte de sua mãe, ele tem vivido sozinho nas ruas de Boston, sobrevivendo por sua inteligência, mantendo-se um passo à frente da polícia e dos guardas preguiçosos. Um dia, ele é encontrado por um tio que ele nunca conheceu — um homem que sua mãe dizia ser perigoso. Seu tio lhe conta um segredo impossível:
Magnus é filho de um Deus Nórdico. Os mitos vikings são reais.
Os Deuses de Asgard estão se preparando para a guerra. Trolls, gigantes, e monstros piores estão agitados para o dia do juízo final. Para evitar Ragnarok, Magnus deve procurar pelos Nove Mundos uma arma que foi perdida há milhares de anos. Quando um ataque de gigantes do fogo obriga-o a escolher entre a sua própria segurança e as vidas de centenas de inocentes, Magnus toma uma decisão fatal:
Às vezes, a única maneira de começar uma nova vida é morrer…

11/06/2015

[Novidades] Divulgada capa de Carrer of Evil

Hey, galerinha. Notícia bombástica para vocês!

A autora J.K.Rowling divulgou a capa de seu próximo livro, sob o pseudônimo de Roberth Galbraith, que traz o detetive Cormoran Strike como protagonista. "Carrer of Evil" deve chegar às livrarias inglesas em outubro.

E aí, o que acharam da capa? Das três (O Chamado do Cuco, O Bicho-da-Seda e Carrer of Evil), essa foi a que mais gostei, com certeza.

08/06/2015

[Entrevista #1] Acácio Brites

Hey, galera. Tudo bem com vocês?
Lembram que eu disse que teria novidades aqui no blog, a partir desse mês? Pois bem. Agora também haverá entrevistas de autores aqui \o/
O primeiro entrevistado foi Acácio Brites, autor do livro Zeck Death - O Ceifador do Milênio, o qual você pode conferir a resenha aqui.

1 – Como foi seu primeiro contato com livros, e qual era sua idade na época?  Puts cara, se eu te contar que eu nem lembro direito, você não vai acreditar. Mas acho que eu devia ter uns 16 anos e foi com o Diários Do Vampiro – O Despertar. Sempre adorei as histórias de vampiros, e minha namorada, naquela época, queria muito esse livro. Então, no caso dos livros, foi o primeiro que eu escolhi ler! 

2 – Quando veio a ideia para escrever Zeck Death?  Eu estava servindo com voluntario em um trabalho em Brasília, então conheci em cara que tinha muito o sonho de ser escritor. Assim, para incentivar o novo colega de trabalho com seu sonho, eu fazia questão de ouvir todas as suas histórias e ideias. E quando eu menos esperava, já estava com a história do Zeck Death na minha mente, pronto para escrever. Comigo, aconteceu um daqueles raros casos de que foi a história que escolheu o autor, e não o autor que criou a história! 

3 – Qual foi sua reação quando caiu a ficha de que você estava escrevendo um livro?  Confesso que fiquei muito nervoso e perdido. Nunca tinha passado pela minha cabeça em ser um autor, na verdade eu queria mesmo é ser um astro do rock. 
 Então, quando terminei de escrever o Zeck Death, não sabia em que mundo eu estava entrando... Dessa forma, me sinto meio que nervoso o tempo todo para conseguir fazer a obra chegar até as pessoas! 

4 – Teve algum apoio, seja de amigos ou família?   Sim, e muitos! Mas gostaria de citar dois em especial... O primeiro foi minha amada esposa, que sempre esteve ao meu lado, lendo meus textos, me corrigindo e tendo sempre muita paciência comigo. Ela me apoiou em tudo. O segundo foi a música, sempre tinha uma trilha sonora na minha mente que me ajudava a sentir a inspiração necessária, até fiz questão de por o tema música no livro! 

5 – Alguns autores costumam colocar um pouco de sua vida em suas histórias. Há algo de ti em Zeck Death  Primeiramente a minha paixão pela música, segundo foi  o meu favoritismo pelos vilões e é claro o muito sangue e cenas de suspense entre os vampiros! 

6 – Como você vê o mercado nacional literário? Acha que a literatura nacional consegue bater de frente com a literatura internacional, e que ainda encontraremos nosso lugar ao sol?   Bem, infelizmente ainda existe muito preconceito com os autores nacionais. Há muitos leitores que não leem obras nacionais, e outros que leem, mas mesmo assim não acham que se compare com a qualidade estrangeira. Por outro lado, até as editoras brasileiras pecam com isso, dando pouquíssimas chances aos autores menos conhecidos. Mas é claro, Jessé, que um dia encontraremos o nosso lugar ao sol. A divulgação, o apoio, a qualidade e o trabalho dos autores nacionais têm aumentado a cada ano. E com isso nós ganharemos o nosso galardão. 

7 – Tem planos para outras obras? Se sim, poderia nos contar um pouco sobre elas, ou é top secret?  Sim! Ainda esse ano vou estar lançando a segunda edição do Zeck Death, com nova capa, revisão e tudo mais. E para o ano de 2016, eu tenho a meta de estar lançando outra ficção... Mas, por enquanto... É Top Secret sim! 

 Gostaria de agradecer a todos do Blog, os leitores, os visitantes, e em especial ao meu amigo Jessé Diniz, pela super oportunidade. Obrigado mesmo, e espero que tenham gostado. 

03/06/2015

[Parceria] Autora Aline Doria

Hey, galera. Como vocês estão? O frio resolveu dar uma pausa por aqui, então to de boa. E ainda mais feliz por poder anunciar para vocês que o blog fechou parceria com a autora Aline Doria, autora do livro Dois Mundos \o/

Aline Dória de Alcantara Camargo, nasceu em 14 de março de 1988, natural de São Carlos, SP.
Cursa o ultimo ano de Rádio e TV na Unesp em Bauru, tem preferencia nas áreas de roteiro e direção. Com maior interesse em produção para televisão e cinema. É fã de ficção, aventura, terror, literatura, cinema, musica, animes, mangás entre outros. Escreve estórias e roteiros e tenta pequenas produções independentes.
O gosto pela escrita vem desde cedo, junto com o gosto pela leitura. Desde criança lia muito, fosse HQs ou livros. Também rabiscava ideias. Em 2008 começou a escrever Dois Mundos, projeto que terminou em 2009 e que foi publicado recentemente. Esse foi a primeira estória que escreveu até o final.
Por questão de falta de tempo é difícil levar outras coisas adiante, mas aos poucos outros projetos se encaminham.



Sinopse: Quando Themis completa dezoito anos seu avô lhe conta sobre outro mundo ligado ao nosso por portais e sua delicada relação com nosso mundo. Themis descobre que é uma guardiã de portal e ganha um livro e um medalhão. Alguns anos depois o equilíbrio que liga os dois mundos é quebrado causando muita desordem e caos, estranhamente o medalhão e o livro de Themis são os únicos que ainda funcionam e ela é chamada no outro lado, em Haesd, para ajudar na missão de restaurar o equilíbrio natural. Em companhia de seu companheiro, Eros, e sua pequena guia, Sofia, é encarregada de uma missão quase impossível. Os perigos de atravessar Haesd estão dentro de cada um, nos sentimentos guardados e no que eles podem despertar, nos segredos, nas lembranças e nos medos. Junto com a missão de salvar o mundo cada um carrega sua própria missão. A relação entre os três se fortalece e se mostra cada vez mais única e cheia de mistérios, a ligação que os une é antiga e além da compreensão deles. A razão disso é um segredo que nem todos conhecerão e o final da missão trará a compreensão de Haesd para os três. Será difícil ver o mundo da mesma forma.

02/06/2015

[Resenha] O Iluminado

Bom dia, gente. Tudo bem com vocês? Como tá o tempo aí onde vocês moram? Aqui estava chovendo há alguns dias, mas agora está só frio. Ao menos não está nevando, igual as proximidades do Hotel Overlook.

O Iluminado foi meu primeiro livro do autor Stephen King, e me arrependo bastante de não ter lido nada do autor antes disso. A história do livro gira em torno da família Torrance. Jack Torrance, o pai ex-alcoólatra e problemático, aspirante a autor, está tentando uma vaga de zelador no Hotel Overlook, durante o inverno. Wendy Torrance e Danny Torrance, sua esposa e filho, vão com ele. Mesmo não acreditando que isso seja uma boa ideia.
Ficar alguns meses preso num hotel, durante o inverno, isolado do mundo, não parece uma ideia tão boa, e isso piora devido à dois fatos: Danny é um iluminado. Ele consegue ver e sentir coisas que ninguém mais pode ver, inclusive o passado sombrio do Hotel Overlook, que se conecta ao garoto de uma forma que ninguém gostaria de estar. Poderia ser um dom maravilhoso, mas é Stephen King, meus amigos. É claro que vai dar ruim. E dá ruim. Muito ruim.
O tempo vai passando, a neve só piora, e a família Torrance fica cada vez mais isolada do mundo. Eles começam a ficar preocupados pois, de uma forma ou de outra, todos têm sido afetados pelo hotel, principalmente Danny e Jack. O garoto têm cada vez mais visões sobre o passado do lugar, e tenta descobrir qual o significado da palavra REDRUM. Tudo é fora do normal, ainda mais pra uma criança que mal sabe sobre o dom que tem; seu pai, de alguma forma, está tornando-se cada vez mais agressivo, preocupando o garoto e sua mãe, que já não conhece mais o marido. Jack sempre foi problemático, mas, de alguma forma, estar no hotel despertou de uma vez por todas esse lado vilanesco dele.
O Iluminado é uma história de terror psicológico, que intriga o leitor. Você simplesmente não consegue parar de ler, pois precisa saber o que vai acontecer depois. Ponto para o sr. King, por fazer uma história tão intrigante como essa, deixando-a cada vez mais surpreendente a cada página.

Nota:


01/06/2015

[Novidades] Editora Selo Jovem publicará livro de autora moçambicana

Oooooi, gente. Tudo bem com vocês? Feliz primeiro de junho! E aí, como vai a vida escolar de vocês? Ansiosos para as férias? Minhas provas começam semana que vem, então...

Nem todos gostam de segundas-feiras, incluindo esse que vos fala. Mas hoje de manhã, tive uma surpresa. Conhecida por lançar novos autores no mercado literário, a editora Selo Jovem resolveu expandir um pouco mais suas obras, e vai publicar o livro O Inspetor de Xindzimila, da autora moçambicana Virgília Ferrão! Sim, isso mesmo! Eles anunciaram isso hoje, em sua página no Facebook. O livro será publicado ainda esse ano, mas não há previsão de quando. Abaixo, vocês podem conferir sinopse e capa da obra. E aí, o que acharam dessa ideia?

Ao regressar à sua terra natal, a pequena e pacata Vila Xindzimila em Moçambique, Dionísio sabia que enfrentaria o seu pai e uma antiga mágoa guardada. Além disso, o novo inspetor traz consigo uma revelação que pode vir a surtir inimizades na família. O inspetor só não esperava, no meio de tudo isto, apaixonar-se por Quina, uma moça da vila, com quem tem um breve romance. Simultaneamente a estes eventos, desencadeia-se uma série de infortúnios, envolvendo misteriosos assassinatos na vila. Assim que o inspetor se dá conta que as mortes estão, de alguma forma, ligadas a ele, o sonho de melhorar a vila e o de viver uma história de amor ficam perdidos. O inspetor inicia uma batalha para deter o assassino, ao mesmo tempo que se questiona se Xindzimila continua realmente a ser sua terra natal.
O Inspetor de Xindzimila remete-nos a uma jornada emocionante na redescoberta de valores como a humildade, a família e o amor, com uma certa dose de suspense que não vai deixar o leitor pousar o livro antes de desvendar esse mistério.
Amantes de tramas inteligentes, suspense, investigação e romances, esperem por O Inspetor de Xindzimila, vocês irão adorar essa trama. A escrita da autora é de muita qualidade.